10 de jun de 2013

Uma dose de Crohn por dia

Cada dia que me olho no espelho estou mais magro, parece que alguma coisa dentro de mim devora o meu corpo lentamente. São mordidas de leve, mas que levam minha auto-estima. Eu sinto que não posso me regenerar mais rápido do que as mordidas conseguem arrancar, e as vezes me pergunto, onde vou parar com isso? Imunidade abaixando, drogas me fragilizando ao mesmo tempo que tentam me ajudar. De repente o meu corpo começa a vencer essa luta, e percebo claramente que progredi 1kg. Semana que vem perco 2kg. Nunca vi uma doença mais instável que essa.
Pessoas só se sensibilizam ao verem a aparência, claro, elas não são culpadas, afinal, como iriam adivinhar o que cada um tem por dentro? Seja sentimento ou dor, está dentro, então não há muito como perceber a não ser que você seja um especialista. O que eu quero dizer é que o mundo não vai ligar para você se não ver que você está aparentemente destruído. Eles só enxergam seu exterior e nem imaginam como você pode estar de verdade, e eu fico preocupado com isso.
Me sinto incapacitado para fazer muitas coisas quando descobri que minhas células imunológicas se confundem e passam a agredir os tecidos que deveriam proteger. Meu corpo todo é confuso desde então, e cada dia está com um humor diferente, ainda bem que isso não afeta minha cabeça. Fico a imaginar como posso trabalhar ou realizar outras simples ações se preciso ir ao banheiro urgentemente porque não tenho mais o mesmo controle de antes. Dores abdominais fortíssimas me fazem entrar em êxtase por segundos.
Não reclamo da vida por isso, lógico que não, é totalmente aceitável que existem inúmeras pessoas em outras situações muito piores, prefiro só acreditar que se preciso enfrentar isso, é porque talvez eu fosse a pessoa certa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário